“Intestino Permeável” e a Dieta Livre do Glutém e da Caseína
Home » “Intestino Permeável” e a Dieta Livre do Glutém e da Caseína facebook

Escrito por Stephen M. Edelson, Ph.D.
Centro Para o Estudo de Autismo, Salem, Oregon

 

Uma outra intervenção popular para o autismo é a dieta livre de Glútem e da caseína. Milhares de pais em todo o mundo colocaram suas crianças nesta dieta restrita e observaram melhoras dramáticas. Em conseqüência, muitas receitas foram publicadas em livros de receitas especializados, boletins de notícias, e na Internet.

Intestino Permeável.: Muitos indivíduos autistas têm intervalos intestinais permeáveis, e isto é referido frequentemente como leaky gut = 'intestino permeável'. Parece haver muitas razões para o problema do intestino permeável em indivíduos autistas, tais como infecções por vírus, (por exemplo, o vírus do sarampo), infecção da levedura (isto é, um crescimento anormal da candida albicans), e uma redução na transferase do enxôfre do fenol (PST; que linhas o intervalo intestinal e o protege da permeabilidade). Há também algumas especulações que os metais pesados no intervalo intestinal podem enfraquecer as membranas; e isto, por sua vez, pode causar o intestino permeável .

Para tratar as potenciais causas do intestino permeável:

  • Viral -- Não há nenhuma droga que pode destruir os vírus no corpo mas há as drogas anti-virais que podem "retardar" os vírus.
  • Candida Albicans -- Muitas crianças testaram positivo ao super crescimento da candida albicans e foram tratadas com medicamentos contra fungos (ver a seção candida albicans nesta edição).
  • Níveis baixos do PST -- Alguns pais dão a suas crianças banhos de Sais de Epson para aumentar o nível do PST.
  • As crianças estão recebendo também procedimentos do desentoxicação dos metais para livrar seu corpo de metais pesados em excesso.

Glútem e caseína. O Glútem é uma proteína e está presente nos alimentos, tais como o trigo, a cevada, o centeio e a aveia. A Caseína é também uma proteína e é encontrada em produtos tais como o leite, o sorvete, o queijo e o yogurt, enfim todos os derivados do leite. No intervalo intestinal, o Glútem e a caseína se transformam em peptídeos; e estes peptídeos se transformam em amino ácidos.

Atualmente, nós não sabemos porque a dieta livre do Glútem e da caseína ajuda a muitos indivíduos autistas. Uma teoria popular é que quando o Glútem e a caseína são transformados em peptídeos, eles podem passar com as imperfeições no intervalo intestinal. Estes peptídeos são denominados o gliadinomorphin (a quebra a proteína do glutém) e o casomorphin (a quebra da proteína da caseína). Ambos os peptídeos agem como a morfina no corpo. Estes podem também passar através da barreira do sangue-cérebro e causar um impacto negativo no desenvolvimento do cérebro.

Como indicado mais cedo, o tratamento o mais útil para este problema é colocar a criança em uma dieta livre de Glútem e da caseína. Quando colocadas na dieta, as crianças, especialmente com menos de 5 anos de idade, podem apresentar alguns sintomas. Isto é, se todos os alimentos com os ingredientes glútem e caseína forem removidos de repente da dieta da criança, isto poderia conduzir a sintomas do autismo, isto é, a primeira impressão seria que a criança estivesse muito pior. Lisa Lewis, Ph.D., mãe de uma criança autista que está envolvida ativamente na disseminação da informação sobre a dieta livre do glútem e da caseína, sugere que as crianças com menos de seis anos devem ser colocadas em uma dieta experimental por três meses para ver se há alguma melhora; e as crianças com seis anos e mais velhos devem ser colocadas em uma dieta experimental por seis meses.

Algumas pessoas sugerem que o estado de saúde do intervalo intestinal da criança deva ser examinado primeiramente; e se houver uma evidência de um intestino permeável, então a criança deve ser colocada em uma dieta livre de Glútem e da caseína. O teste do Intestino Permeável é é a única maneira de determinar se uma criança tem um intestino permeável. Este teste envolve beber uma solução com sabor doce e então coletar amostras da urina. A maioria dos médicos podem administrar este teste. Os pais emitiram também amostras da urina de suas crianças aos laboratórios para testar para a presença dos peptídeos anormais associados com o glútem e com a caseína na urina. Entretanto, muitas pessoas sentem que estes testes não são necessários e sugerem que os pais devem simplesmente colocar a criança em uma dieta restrita e então observar se ou há alguma melhora na criança.

Recursos:

  • Special Diets for Special Kids (1998) by Lisa S. Lewis Ò Dietas Especiais para Crianças Especiais (1998) por Lisa S. Lewis
  • Unraveling the Mystery of Autism and Pervasive Developmental Disorder (2000) by Karyn Seroussi Ò Revelando o Mistério do Autismo e da Desordem Pervasiva do Desenvolvimento (2000) por Karyn Seroussi
  • Autism Network for Dietary Intervention (ANDI) Ò Rede do Autismo para a Intervenção Dietética: www.AutismNDI.com

©2002, informação do copyright